Publicado em 27.03.2018 - Festas e comemorações - Sem comentários

IOM HASHOÁDIA DA RECORDAÇÃO DOS HERÓIS

 E MÁRTIRES DO HOLOCAUSTO

 

Esquecer, jamais

…não relembrar o Holocausto significa assassinar as vítimas pela segunda vez; tornar-se cúmplice do inimigo.  Por outro lado, relembrar significa sentir compaixão pelas vítimas de todas as perseguições.

Elie Wiesel, prêmio Nobel da Paz/1986

Um dia de muita tristeza para os judeus de todo o mundo. Assim é marcado o Iom Hashoá v’Hagvurá, o dia da recordação dos heróis e mártires do Holocausto, um dos mais sombrios episódios da história da humanidade, quando seis milhões de judeus – entre muitas outras vítimas – foram exterminados pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial.

O Iom Hashoá (Dia da Catástrofe, em hebraico), é celebrado em 27 de Nissan, data oficializada pelo então primeiro-ministro israelense, David Ben Gurion, em 1959. O objetivo é não apenas manter viva a memória das vítimas do nazismo, como também fazer o Holocausto chegar ao conhecimento do mundo e combater todas as atrocidades cometidas em nome do antissemitismo.

Costumes e tradições

O Iom Hashoá é lembrado pelos judeus de todo o mundo, mas as principais cerimônias acontecem em Israel. Às 10 horas do dia 27 de Nissan, o país para por dois minutos. As sirenes de ataque aéreo soam, veículos param e as pessoas permanecem em silêncio. Durante o dia, estabelecimentos públicos são fechados, exceto os que promovem atividades especiais relacionadas ao Holocausto. As emissoras de rádio e TV do país transmitem programação especial, com canções e documentários sobre o episódio, e as escolas oferecem aos alunos atividades relacionadas à data. As bandeiras são hasteadas a meio-pau, em homenagem aos heróis e mártires. Acendem-se velas por todo o país, com o lema “lembrar e recordar – jamais esquecer”.

Na Diáspora, esse dia é lembrado nas escolas e todas as instituições judaicas e não judaicas, com o intuito de não deixar esquecer o ocorrido.